Contrato de viagem corporativa

Saiba como fazer um contrato de viagem corporativa objetivo

O contrato de viagem corporativa é o documento que determina os direitos e os deveres das partes e deve ser avaliado cuidadosamente. Você que lida com isso frequentemente precisa saber que todas as etapas do deslocamento de um colaborador são essenciais e começam na parte burocrática.

Ter atenção com termos jurídicos é uma das principais formas de aumentar a qualidade do trabalho, oferecer suporte adequado em viagens e ainda reduzir imprevistos. Só assim será possível atender às demandas conforme as necessidades internas para tomar as melhores decisões.

Então, quer aprender como fazer um contrato de viagem corporativa? Confira!

O que é um contrato de viagem corporativa?

O contrato de viagem é muito semelhante às diretrizes usadas em qualquer outro tipo de serviço prestado. Ele envolve a empresa e uma agência corporativa e é parte essencial para quem opta por viagens frequentes dos colaboradores. No documento, é indispensável incluir as condições comerciais envolvidas.

Entre as principais, estão: preços, prazos, objetivo, validade, multas, obrigações de ambas as partes, forma de pagamento, atendimento do plantão emergencial e perfil dos consultores. Cada informação precisa constar de maneira clara e objetiva, sem deixar de lado nenhum tópico que possa trazer transtornos no futuro.

Esse tipo de formalização descreve o que pode acontecer, inclusive legalmente, caso os planos de uma viagem sejam alterados ou a prestadora de serviços não cumpra com o atendimento acordado inicialmente.

O que não pode faltar no contrato de viagem corporativa?

A seguir, explicamos os elementos que esse documento deve conter.

Os dados das partes envolvidas

O primeiro passo para a elaboração de um contrato de viagens corporativas é incluir os dados das partes envolvidas. Essas informações são essenciais para entender quem são os responsáveis pela prestação dos serviços e o que os contratantes esperam de maneira geral. Aqui, estão dados jurídicos que são fundamentais caso qualquer coisa saia do esperado e uma das partes precise acionar a multa ou penalidade descrita.

Os objetivos da contratação

Os objetivos giram em torno da contratação de um serviço eficiente de gestão de viagens corporativas e os seus principais desdobramentos. A assistência é prestada de acordo com o volume de viagens e, caso existam funções extras a serem desenvolvidas, elas também precisam ser detalhadas. Afinal, problemas por cobranças em relação a tarefas que não estavam no contrato inicialmente costumam ser bastante comuns.

As obrigações de pagamentos

As obrigações que envolvem pagamentos, estrutura de atendimento e os recursos do atendimento são também parte importante. A atenção nessa etapa precisa ser redobrada para que os serviços não sejam interrompidos por falta de pagamentos ou valores incondizentes nas faturas posteriores.

Vale destacar aqui quem é o responsável por efetuar os pagamentos e tirar dúvidas relacionadas, caso exista alguma no decorrer do processo. Esclareça quantos pagamentos serão realizados, o método utilizado, possíveis descontos e a data limite.

Conforme o modelo de contrato usado, é interessante descrever o que cada valor representa detalhadamente. Isso facilita a conferência dos responsáveis pela gestão financeira da sua empresa e permite gerenciar os gastos como referência em futuras contratações.

Os recursos e o atendimento necessário

Uma questão importante em um contrato de prestação de serviços é esclarecer sempre o que acontece se os recursos estipulados não estiverem disponíveis, se precisar ser feita uma compra que não está especificada e quais são os deveres do atendimento.

Esse suporte é crucial quando um colaborador, por exemplo, necessita de suporte em uma viagem internacional. A demora do retorno por causa do fuso horário pode ser determinante para o sucesso de uma negociação, e isso deve ser considerado no preenchimento das cláusulas.

Então, antes de fechar o negócio com um prestador de serviços, tire todas as dúvidas sobre recursos disponíveis e atendimento. Com as expectativas alinhadas, fica muito mais simples direcionar os colaboradores durante o deslocamento, gerenciar orçamentos e tomar decisões em longo prazo.

As multas e as penalidades

Muitas coisas podem mudar de última hora e, assim, nem sempre é possível cumprir à risca o planejamento da viagem corporativa. Diante disso, uma das principais preocupações na negociação tem a ver com a aplicação de multas e penalidades quando algo não acontece de acordo com o esperado.

O documento deve conter as multas, as penalidades e as consequências de modo geral do descumprimento das obrigações alinhadas na negociação. No caso, essas informações são de ambas as partes — como a falta de pagamento do contratante ou a falta de compromisso em um serviço da agência contratada para a gestão da viagem.

Entram aqui também as possibilidades de rescisão do contrato antes do prazo de vigência, que são questões que causam problemas judiciais ou cobranças futuras quando não estão bem esclarecidas. Ambas as partes ficam livres para adicionar cláusulas que julguem pertinentes conforme a realidade do serviço prestado e contratado.

É comum em contratos de viagens que as empresas escolham não incluir indenizações por rescisão. Em substituição, são incluídos, após a aprovação de todos, um tempo mínimo de vigência para ambas as partes e uma quantia adequada caso alguém descumpra o que está combinado.

Os reajustes dos planos

As mudanças inesperadas nos planos de viagem são corriqueiras na rotina das empresas. Portanto, o documento precisa falar especificamente sobre as possibilidades de reajustes dessas condições. Se qualquer decisão não puder ser tomada conforme aparece no contrato, é necessário fazer uma revisão do valor cobrado pela agência.

O intuito de deixar isso bem esclarecido é evitar prejuízos à imagem da empresa contratante no mercado e transtornos aos colaboradores durante os deslocamentos. Dentro do contexto das viagens corporativas, os pagamentos são feitos de maneiras distribuídas, pois elas envolvem várias despesas com serviços.

Vale levar em consideração que uma quitação de despesa de forma diferente ao que foi acordado pode gerar uma porcentagem maior na cobrança final. Esses valores precisam estar descritos conforme suas condições no documento e acontecem mediante acordo entre as partes.

Entendeu como fazer um contrato de viagem corporativa? Mesmo que ele reúna muitas cláusulas e questões que parecem ter pouca probabilidade de acontecer, você precisa analisar cada detalhe. Como resultado, haverá menos chances de lidar com imprevistos sem assistência ou de recorrer judicialmente por serviços não prestados.

Agora, deixe seu comentário e nos conte se ficou alguma dúvida sobre o assunto. Vamos esclarecer com o maior prazer!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, por favor verifique se o captcha está correto.